O drama dos soldados russos que queriam fazer amor no meio da guerra.

Se você não tiver acabado de acordar de um coma, já sabe das tensões que vem acontecendo ultimamente entre a Rússia e a Ucrânia.

O que havia começado como movimentos separatistas na região de Donesk e Luhansk, que receberam o apoio russo, escalou para o Putin fazendo um discurso em que diz, com todas as letras, que a União Soviética nunca deveria ter acabado, e que a Ucrânia não tem direito de existir.

E piora. Minutos após o discurso, a Rússia inicia a invasão da Ucrânia com o envio, por Pútin das “tropas de paz” (As definições de “cara de pau” foram atualizadas). O mapa interativo da Ucrânia está assim, no momento que escrevo esse texto :

Mapa interativo : O local cheio de bolinhas é a capital, Kiev

No presente momento, a população toda do país está armada até os dentes e enfrentando os russos de todas as formas. Ao que tudo indica, mesmo que a Rússia vença, será uma vitória difícil. Ao que tudo indica também, Pútin está insano, pois acaba de ameaçar a Finlândia e a Suécia.

Enquanto isso, aqui no Brasil, a militância esquerdista, entupida até o intestino grosso de propaganda comunista, assumiu o lado do Pútin. Entre outras aberrações, temos nota do PT apoiando o ataque (apagaram, como bons covardes que são). Texto da Folha dizendo que a Ucrânia está se fazendo de vítima” (Diz leitora, como bons covardes que são). E canalhas diversos dizendo que a Rússia está “desnazificando” a Ucrânia. Com o detalhe de que o presidente é judeu (Sei lá, né?! Deve ter usado fantasia de índio no carnaval).

Enquanto isso, no outro lado do chiqueiro político-partidário. Bolsonaro estava todo bonachão, pensando (por intermédio do seu cercadinho de puxa-sacos) que a Rússia não ia invadir, e que ele era o responsável pela “Paz Mundial”. Até que aquela coisa inconveniente chamada “realidade” bateu na porta. Ele e seu gado estão assim agora :

Além dos militontosmilitantes políticos brasileiros, a guerra também está causando reações incomuns em outra parcela dos envolvidos : Os soldados russos. Vários desses soldados estão num nível tão grande de carência sexual e afetiva, que para eles, a coisa já não está mais nem russa. Está soviética.

Esses soldados veem na invasão da Ucrânia a oportunidade de invadirencontrar um amorzinho para chamar de seu, e estão resolutos de que, “sem cobertor de orelha, pra casa não vão voltar”. E para atender seus desejos, estão usando aquela ferramenta capitalista que visa lucros : O Tínder.

Ucrânianas relatam perfis de soldados russos pipocando diuturnamente em suas timelines : Um pedindo peitos, outro pedindo sua mão, outro todo amor que ela tiver… E relatam que a situação dos ditos perfis só pode ser definida em uma palavra : Desespero.

Vários dos soldados Tinderianos aparecem com roupas coladíssimas, ou fardas apertadas para enfatizarem o seu fisicozão, enquanto que outros, não tão bem desenvolvidos, apelam para as fotos portando armas de alto calibre, e até ao lado bombas e mísseis, o que poderia ser interpretado por pessoas maldosas e sem empatia, como uma tentativa de compensar “certas partes do corpo” que podem não ter um “calibre” lá tão alto assim.

As Ucrânianas estão (compreensivelmente) com nojo, e rejeitando os perfis. Porém algumas estão dando match e esperanças para os camaradas. Por que? Simples!

Em guerra, ganha quem erra menos. E poucos seres vivos são tão propensos a erros catastróficos quanto a criatura “homem atrás de mulher na internet“. Os soldadinhos, a fim de contar vantagem pras moças, estão entregando de mão beijada dados de armamentos, localização, quantitativo dos batalhões. Um prato cheio que deve (e será) usado pelos guerrilheiros ucrânianos para (tomara) garantir que a União Soviética 2.0 acabe antes mesmo de começar.

Como eu não tenho “lugar de fala” nessas questões femininas, pedi uma consultoria de uma amiga blogueira, dona de bar, e sommelier de homens ruins do Tínder. Segundo ela, “o coração das moças está no lugar certo”, mas os métodos precisam ser mais diretos. Ela concordou em equipar melhor as meninas para a missão. Está indo para a Rússia com um carregamento de tesourões de poda.

Fonte : New York Post